O jornalismo performativo do “Sertão Transviado”

a imprensa LGBTQIA+ no Cariri cearense

Autores

  • Ribamar José de Oliveira Junior Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Resumo

Este artigo traz a experiência de desenvolvimento do jornal Sertão Transviado, resultado do projeto “Sertão Transviado: Outros Cariris”, vinculado às Pró-Reitorias de Extensão e de Cultura da Universidade Federal do Cariri (UFCA) durante anos de vigência da ação cultural entre 2016 a 2018. Ao lado da revisão de literatura das teorias do jornalismo, faz-se um paralelo com a apuração jornalística do impresso no sentido de perceber novos modelos de jornalismo em profundidade através da apuração, narração, hierarquização e edição das pautas voltadas para a cotidianidade das paisagens transviadas do movimento LGBT+ e dos ativismos queer na região do Cariri cearense.

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. Nordestino: invenção do “falo” – uma história do gênero masculino (1920-1940). São Paulo: Intermeios, 2013.

ALSINA, Miguel Rodrigo. A construção da notícia. Petrópolis: Vozes, 2009.

BENTO, Berenice. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: Edufba, 2017.

BERTASSO, Daiane; NASCIMENTO, Fernanda; GUSTAFSON, Jessica. Jornalismo e gênero: a emergência de uma disciplina e um relato de docência compartilhada. Estudos Feminis-tas, Florianópolis, v. 28, n. 2, p. 1-9, 2020.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria perfor-mativa da assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARVALHO, Guilherme; BRONOSKY, Marcelo Engel. O jornalismo como instrumento de resistência. REBEJ (BRASÍLIA), v. 9, p. 185-196, 2019.

COLLING, Leandro. Dissidências sexuais e de gênero. Salvador: Edufba, 2016.

COLLING, Leandro. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ati-vismo queer. Salvador: Edufba, 2015.

COLLING, Leandro et al. Um panorama dos estudos sobre mídia, sexualidades e gêneros não normativos no Brasil. Revista Gênero, v. 12, n. 2, p. 77-108, 2012.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina; MESSA, Márcia Rejane. Os estudos de gênero na pesquisa em comunicação no Brasil. In: ESCOSTEGUY, Ana Carolina. (Org.). Comunicação e gênero: a aventura da pesquisa. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008, p. 14-29.

ESCOSTEGUY, Ana Carolina. Comunicação e Gênero no Brasil: discutindo a relação. RE-VISTA ECO-PÓS (ONLINE), v. 23, p. 103-138, 2020.

GROTH, Otto. O poder cultural desconhecido: fundamentos da ciência dos jornais. Petró-polis: Vozes. 2011

KOVACK, Bill; ROSENSTIEL, Tom. Os Elementos do Jornalismo. São Paulo: Geração Edito-rial, 2003.

LAGO, Claudia; KAZAN, Evelyn; THAMANI, Manuela. Jornalismo e estudos de gênero: e a interseccionalidade, onde está?. In: Leonel Aguiar; Marcos Paulo da Silva; Monica Martinez. (Org.). Desigualdades, Relações de Gênero e Estudos de Jornalismo. 1aed.São Paulo: Intercom, 2018, v. 1, p. 124-140.

LEAL, Bruno Souza; CARVALHO, Carlos Alberto de. A grande mídia brasileira e as identi-dades LGBT: um retrato em 2008. DIÁLOGOS DE LA COMUNICACIÓN (EN LÍNEA), v. 84, p. 1-24, 2012.

McQUAIL, Denis. Teorias da Comunicação de Massa. Porto Alegre: Penso Editoria, 2013.

MEDINA, Cremilda de Araújo. Entrevista: o diálogo possível. São Paulo: Ática, 2003.

MORAES, Fabiana; ANJOS, Moacir dos. Arte-jornalismo: representação, subjetividade, con-taminação. Lumina, v. 14, n. 2, p. 39-54, 2020.

MORAES, Fabiana; GOUVEIA, Diego. Para além do robô, a reportagem: pavimentando uma metodologia do jornalismo de subjetividade. In: In: MAIA, Marta R; PASSOS, Mateus Yuri. (Orgs.). Narrativas midiáticas contemporâneas: perspectivas metodológicas. Santa Cruz do Sul: Catarse, 2018, p. 65-80.

MORAES, Fabiana. A subjetividade como uma proposta de decolonização do jornalismo brasileiro. In: MAIA, Marta R; PASSOS, Mateus Yuri. (Orgs.). Narrativas midiáticas contem-porâneas: epistemologias dissidentes. Santa Cruz do Sul: Catarse, 2020, p. 99-114.

MORIN, Edgar. Linguagem da Cultura de Massa. Petrópolis: Vozes. 1973.

OLIVEIRA, Jair. A linguagem performativa do jornalismo (contra fatos há argumen-tos). LÍBERO, n. 30, p. 119-126, 2012.

RIBEIRO, Irineu Ramos. A TV no Armário: a identidade gay nos programas e telejornais brasileiros. São Paulo: Edições GLS, 2010.

RODRIGUES, Jorge Caê. A Imprensa LGBT no Brasil. In: CAETANO, Marcio. RODRIGUES, Alexsandro. NASCIMENTO, Claudio. GOULART, Ellen Treyce. (Orgs.). Quando ousamos existir: itinerários fotobiografícos do movimento LGBTI brasileiro (1978-2018). Rio Gran-de: Copiart; FURG, 2018, v. 1, p. 66-71.

RUIZ, Melissa S. A transnecropolítica no Brasil. Revista Contribuciones a las Ciencias So-ciales, p. 1-12, 2020.

SANTANA, Eder Luis. LGBT como pauta do jornalismo: visibilidade e limitações. Salvador: Editora Devires, 2018.

SILVA, Marcia Veiga da. Masculino, o gênero do Jornalismo: Modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

SODRÉ, Muniz. A narração do fato: notas para uma teoria do acontecimento. Rio de Ja-neiro: Vozes, 2009.

TOMAZETTI, Tainan Pauli; MARCONI, Dieison. Do cultural ao queer: a contribuição dos Estudos Culturais para pensar as relações de gênero nos estudos em comunicação. Razón y palabra, v. 21, n. 97, p. 566-584, 2017.

____________________. Caminhos para pensar as problemáticas de gênero nas pesqui-sas em comunicação. In: Flavi Ferreira Lisboa Filho; Thomas Josue Silva. (Org.). Cultura e identidade: subjetividades e minorias sociais. 1ed.Santa Maria: FACOS-UFSM, 2018, p. 184-201.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. Santa Cata-rina: Editora Insular, 2005.

Publicado

2021-03-21

Como Citar

Oliveira Junior, R. J. de. (2021). O jornalismo performativo do “Sertão Transviado”: a imprensa LGBTQIA+ no Cariri cearense. Revista Brasileira De Ensino De Jornalismo, 10(27), 36-56. Recuperado de http://rebej.abejor.org.br/index.php/rebej/article/view/68

Edição

Seção

Artigos