As Diretrizes Curriculares como matrizes para inovações nos Cursos de Jornalismo

Autores

  • Elias Machado UFSC

DOI:

https://doi.org/10.46952/rebej.v11i29.452

Palavras-chave:

Ensino; Jornalismo; Pesquisa Aplicada; Pedagogia do Jornalismo

Resumo

As Diretrizes Nacionais Curriculares de Jornalismo (2013), que tiveram o mérito de institucionalizar o Jornalismo como um curso específico, contribuindo para a consolidação do Jornalismo como prática de ensino e pesquisa, pouco avançaram em formas inovadoras de ensino. O objetivo deste ensaio é, através da experiência do autor como estudante, profissional, professor e pesquisador em jornalismo, tomar as Diretrizes Curriculares Nacionais como uma matriz para repensar os cursos de Jornalismo e propor, a partir da pesquisa aplicada, práticas inovadoras de ensino e pesquisa.

Biografia do Autor

Elias Machado, UFSC

Doutor em Jornalismo e Professor no Departamento de Jornalismo da UFSC.

Referências

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Resolução nº 02, de 24 de janeiro de 1984. Fixa o currículo mínimo do curso de Comunicação Social e dá outras providências. Documen-tos. Brasília, fev. 1984, nº 278, p. 209-211.

GLEDSON, John. Machado de Assis. Ficção e História. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

MOURA, Cláudia Peixoto. O curso de comunicação social no Brasil: do currículo mínimo às novas diretrizes curriculares. Porto Alegre: Edipucrs, 2002.

TUCHMANN, Gaye. Making News. A Study of contruction of reality. New York: Free Press, 1978.

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Machado, E. (2021). As Diretrizes Curriculares como matrizes para inovações nos Cursos de Jornalismo. Revista Brasileira De Ensino De Jornalismo, 11(29), 3-13. https://doi.org/10.46952/rebej.v11i29.452

Edição

Seção

Dossiê