Teoria e prática na grade curricular pós-DCNs/2013

o caso de uma faculdade particular do sertão piauiense

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46952/rebej.v11i29.457

Palavras-chave:

Ensino de Jornalismo. Diretrizes Curriculares. Pesquisa e Estágio em Jornalismo.

Resumo

Em 2013 os cursos de bacharelado em jornalismo tiveram suas Diretrizes Nacionais Curriculares atualizadas. Esta pesquisa se debruça na análise das mudanças ocorridas em um curso de jornalismo de uma instituição privada do interior do sertão piauiense, a partir das novas diretrizes. Metodologicamente o trabalho tem como base a pesquisa bibliográfica, estudo de caso e pesquisa documental, através de uma abordagem qualitativa. Os resultados demonstram que o curso passou por mudanças significativas após as novas diretrizes, buscando se adequar aos padrões de ensino, aliado à pesquisa e à extensão. Teoria e prática são articuladas e vivenciadas durante a formação profissional, por meio de disciplinas de pesquisa e estágio supervisionado.

Biografia do Autor

Ruthy Manuella de Brito Costa, Instituto de Educação Superior Raimundo Sá

Mestra em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Piauí (PPGCOM/UFPI), com pesquisa na linha Processos e Práticas do Jornalismo. Graduada em Comunicação Social – Jornalismo e Relações Públicas pela Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Membro do Núcleo de Pesquisa em Jornalismo e Comunicação - NUJOC/UFPI. Professora no Instituto de Educação Superior Raimundo Sá (IESRSA) e na Universidade Estadual do Piauí (UESPI).

Márcio Granez, Universidade Federal do Piauí

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Mestre em Letras pela UFSM. Pós-Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Piauí (PPGCOM/UFPI), com bolsa PNPD/CAPES. Membro do Núcleo de Pesquisa em Jornalismo e Comunicação - NUJOC/UFPI.

Referências

ANDERSON, C.W.; BELL, Emily; SHIRKY, Clay. Jornalismo pós-industrial: adaptação aos novos tempos. Revista de Jornalismo ESPM, São Paulo, n. 5, ano 2, abr. mai. jun. 2013, p. 30-89. Trad. Ada Félix.

BERNARDO, Cristine Hengler Corrêa; LEÃO, Inara Barbosa. Análise das matrizes curriculares dos cursos de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo no Brasil: um retrato da realidade nacional. Matrizes, São Paulo, v. 35, n. 1, 2012.

CASCAIS, Fernando. O ensino do/para o jornalismo e a formação profissional. Comunicação e Sociedade, vol. 5, 2004.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Pragmática do jornalismo: buscas práticas para uma teoria da ação jornalística. São Paulo: Summus, 1994. 132 p.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. 2. ed. Porto Alegre: Tchê, 1987.

GRANEZ, Marcio da Silva. Novas diretrizes, velhas questões: o currículo do curso de jornalismo, antes e depois das DCNs. In: Pinheiro, Elton Bruno; VARÃO, Rafiza; BARCELLOS, Zanei (Orgs.). Práticas e tensionamentos no ensino de jornalismo. Brasília: Universidade de Brasília, Faculdade de Comunicação, 2018. 241 p.

GROTH, Otto. O poder cultural desconhecido. Fundamentos da Ciência dos Jornais. Petrópolis: Vozes, 2011. Tradução de Liriam Spolholz. 460 p.

IESRS. Projeto político pedagógico do curso de bacharelado em Comunicação Social. Picos, 2006.

IESRS. Projeto político pedagógico do curso de bacharelado em Jornalismo. Picos, 2015.

MARCONI, Maria de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho científico: projetos de pesquisa, pesquisa bibliográfica, teses de doutorado, dissertação de mestrado, trabalhos de conclusão de curso. 8.ed. 4. Reimp. São Paulo: Atlas, 2020.

MEDITSCH, Eduardo. O conhecimento do jornalismo. Florianópolis: UFSC, 1992.

MEDITSCH, Eduardo. Crescer para os Lados ou Crescer para Cima: O Dilema Histórico no Campo Acadêmico do Jornalismo, Comunicação apresentada no XXII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Rio de Janeiro, 7-8 de Setembro de 1999. Disponível em: www.ufsc.br/bancodedados/medistch-dilema.html (acesso em 16 de fevereiro de 2018).

PENA, Felipe. Teoria do jornalismo. 3. ed. São Paulo: Contexto, 2020. 235 p.

PEREIRA, Adriana Soares et al. Metodologia da pesquisa científica. Santa Maria, RS: UFSM, NTE, 2018.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SODRÉ, Muniz. Comunicação: um campo em apuros teóricos. Matrizes, São Paulo, ano 5, n. 2, jan.-jun., 2012, p. 11-27.

WOLF, Mauro. Teorias das comunicações de massa. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

Legislação

BRASIL. Ministério da Educação. CNE. Resolução CNE/CES 16/2002. Estabelece as Diretrizes Curriculares para a área de Comunicação Social e suas habilitações. Diário Oficial da União, Brasília, 9 de abril de 2002. Seção 1, p. 34.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES 1/2013. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Jornalismo. Diário Oficial da União, Brasília, 1° de outubro de 2013. Seção 1, p. 26.

MEC. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Jornalismo. Relatório da Comissão de Especialistas instituída pelo Ministério da Educação. (Portaria Nº 203/2009, de 12 de fevereiro de 2009). Disponível em: file:///D:/Documents/2021/publica%C3%A7%C3%B5es/revista%20brasileira%20de%20ensino%20de%20jornalismo/documento_final_cursos_jornalismo.pdf . Acesso em: 05 de ago. 2021.

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Costa, R. M. de B., & da Silva Granez, M. . (2021). Teoria e prática na grade curricular pós-DCNs/2013: o caso de uma faculdade particular do sertão piauiense. Revista Brasileira De Ensino De Jornalismo, 11(29), 61-74. https://doi.org/10.46952/rebej.v11i29.457

Edição

Seção

Dossiê