Jornalismo e assessoria à luz das diretrizes curriculares

estudo a partir de egressos de jornalismo da UEPG

Autores

  • Guilherme Carvalho Uninter
  • Manoel Moabis UTFPR

DOI:

https://doi.org/10.46952/rebej.v11i29.469

Palavras-chave:

Formação em Jornalismo, Assessoria de Imprensa, Jornalismo de Comunicação, Diretrizes Curriculares de Jornalismo

Resumo

Verifica-se as relações entre formação e atuação no mercado de trabalho para jornalistas recém-formados em jornalismo da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). A pesquisa de opinião buscou identificar quais atividades vêm sendo desempenhadas por bacharéis formados entre os anos de 2011 e 2017. A questão central do trabalho busca compreender quais características são marcantes na atuação destes profissionais e se podem ser consideradas como atividades tradicionalmente jornalísticas, relacionando com a formação profissional e com o que estabelecem as Diretrizes Nacionais Curriculares para cursos de Jornalismo no Brasil, aprovada em 2013. Os resultados apontam atravessamentos nas atividades desempenhadas entre jornalistas que atuam em redação ou em assessoria de imprensa, reforçando aquilo que vem sendo chamado de “jornalismo de comunicação” (CHARRON; BONVILLE, 2016). Deste modo, verifica-se a permanência do dilema da formação jornalística.

Biografia do Autor

Guilherme Carvalho, Uninter

Pós-doutor em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2001). Doutor pela Unesp e mestre em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná. Possui pós-graduação (lato sensu) em Comunicação, Cultura e Arte pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2013) e graduação em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2001). Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Jornalismo Sindical e na área de Assessoria de Imprensa. Foi presidente do Sindicato dos Jornalistas do Paraná (2012-2015). Atualmente é professor e coordenador do curso de jornalismo do Centro Universitário Uninter e professor do mestrado em jornalismo da UEPG.

Manoel Moabis, UTFPR

Doutor pela Universidade do Vale do Rio do Sinos (Unisinos). Trabalha como professor substituto no Curso de Comunicação Organizacional da Universidade Tecnológica federal do Paraná e é membro do grupo de pesquisa Lógicas de Produção e Consumo do Jornalismo.

Referências

BARONE, Victor. Assessoria de imprensa é uma coisa, jornalismo é outra. Observatório da Imprensa, ed. 540. 2 jun. 2009. Disponível em: http://www.observatoriodaimprensa.com.br/imprensa-em-questao/assessoria_de_imprensa_e_uma_coisa_jornalismo_e_outra/. Acesso em: 1 out. 2021.

BREED, Warren. Controle social na redação. Uma análise funcional. IN: TRAQUINA, Nelson (Org.) Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 2016.

BUENO, Wilson da Costa. Relacionamento com a Mídia: Uma nova leitura a partir da Teoria da Complexidade. Animus, v. 13, n. 25, s/p. 2014.

CBO (Classificação Brasileira de Ocupações): CBO–2010. 3. ed. Brasília: MTE, SPPE, 2010.

CHALABY, Jean. The invention of journalism. New York: Palgrave Mcmillan, 2002.

CHAPARRO, M. C. Cem anos de assessoria imprensa. In: DUARTE, J. (org.). Assessoria de Imprensa e relacionamento com a mídia: teoria e técnica. São Paulo: Atlas, 2006.

CHARRON, Jean; BONVILLE, Jean. Natureza e transformação do jornalismo. Florianópolis: Insular; Brasília: FAC Livros, 2016.

DECRETO 83.284, DE 13 DE MARÇO DE 1979. Governo Federal. Brasília, 1979.

DEUZE, Mark; WITSCHGE, Tamara. O Que o Jornalismo está se Tornando. Parágrafo, v. 4, n. 2, p. 6-21, jul/dez, 2016.

DIRETRIZES Curriculares Nacionais para cursos de Jornalismo. Resolução nº 1, de 27 de setembro de 2013. Ministério da Educação. Brasília, 2013.

DUARTE, J. Assessoria de imprensa e relacionamento com mídia. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

FIELD MANUAL. Instructions for Field Research. World of Journalism Study. Munich, Germany, 2012. Disponível em: https://worldsofjournalism.org/wp-content/uploads/2019/09/Field-Manual-1.3.pdf. Acesso em: 13 jun. 2021.

FISHMAN, Mark. Manufacturing the News. University of Texas Press, Austin, 1983.

FOLETTO, Leonardo F. Um mosaico de parcialidades na nuvem coletiva: rastreando a Mídia Ninja (2013 2016)2016). 2017.224f. Tese. (Programa de PósGraduação em Comunicação e Informação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

FONSECA, Virginia Pradelina da Silveira. Assessoria de imprensa não é jornalismo: conflito de interesses no Código de Ética dos Jornalistas Brasileiros. Famecos, Porto Alegre, v. 20, n. 3, pp. 711-729, set./dez. 2013.

GENRO, Filho. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. v. 6. Florianópolis: Insular, 2012.

GROTH, Otto. O poder cultural do desconhecido: fundamento da Ciência dos Jornais. Petrópolis: Vozes, 2011.

HALL, Stuart. et al. A produção social das notícias: os mugging nos media. In: TRAQUINA, Nelson (org.). Jornalismo: questões, teorias e ‘estórias’. Florianópolis: Insular, 2016.

HEMMINGWAY, Emma. Into the Newsroom: Exploring the digital production of regional television news. London/New York: Routledge, 2008.

LAGE, N. A reportagem: Teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. São Paulo. Editora: Record. 2001.

MAFEI, Maristela. Assessoria de Imprensa: como se relacionar com a mídia. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2005.

MANUAL dos Jornalistas em Assessoria de Comunicação. 3. ed. Brasília: Fenaj, 2016. Disponível em: https://fenaj.org.br/wp-content/uploads/2016/08/manual_de_assessoria_de_imprensa3.pdf. Acesso em: 10 jul. 2021.

MICK, Jaques. Detalhamento metodológico da pesquisa “Perfil profissional do jornalismo brasileiro”. 2013. Fenaj. Disponível em: http://perfildojornalista.ufsc.br/files/2012/04/PerfilJornal_Metodologia.pdf. Acesso em: 12 ago. 2020.

MICK, Jaques; LIMA, Samuel. Perfil do Jornalista Brasileiro. Florianópolis: Insular, 2012.

MOLOTCH, H.; LESTERS, M. As notícias como procedimento intencional: acerca do uso estratégico de acontecimentos de rotina, acidentes e escândalos. In: TRAQUINA, Nelson (org.) Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 1993.

POLLOCK, C. The Confessions of a Press Agent. Munsey’s Magazine, v. 1907, oct., p. 87-93, 1907.

RAMONET, Ignacio. A explosão do jornalismo: das mídias de massa à massa de mídias. São Paulo: Publisher Brasil, 2012.

RIBEIRO, F. V. M. Assessoria de Imprensa: Fundamentos Teóricos e práticos. O relacionamento com jornalistas, a produção de conteúdo e os eventos como motor de produção noticiosa. São Paulo, Novas Edições Acadêmicas, 2015.

RIBEIRO, F. V. M. O pragmatismo das fontes profissionais de informação: perspectiva teórica não-conspirativa da relação entre assessores de imprensa e jornalistas. ORGANICOM, a. 12, n. 22, 1º sem. 2015.

RIBEIRO, F. V. M. Os Press Agents como pioneiros da assessoria de imprensa: conceitos, práticas e atores entre 1830 e 1914. Revista Brasileira de História da Mídia (RBHM), v.4, n.2, p. 123-133, jul./2015 – dez./2015.

ROSSO, Aline Louize D. O capital simbólico do campo jornalístico: disputas e códigos compartilhados entre jornalistas de mídia e assessores da ALESC. Florianópolis, SC, 2017.

RÜDIGER, Francisco. Origens do pensamento acadêmico em jornalismo: Alemanha, União Soviética e Japão. v.11. Florianópolis: Insular, 2017.

SOLOSKI, John. O jornalista e o profissionalismo: alguns constrangimentos no trabalho jornalístico. IN: TRAQUINA, Nelson (org.) Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. Florianópolis: Insular, 2016.

TRAQUINA, Nelson. Teorias do jornalismo: porque as notícias são como são. 3 ed., v. 1. Florianópolis: Insular, 2012.

TUCHMAN, Gaye. La produccion de la noticia: Estudio sobre la construcción de la realidad. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1983.

XAVIER, Cíntia; BRONOSKY, Guilherme. Estratégias metodológicas para estruturação de questionário sobre o egresso dos cursos de jornalismo. Texto apresentado no 18º ENPJ. Disponível em: http://soac.abejor.org.br/?conference=18enpj&schedConf=18enpj&page=paper&op=view&path%5B%5D=230&path%5B%5D=123. Acesso em: 3 jul. 2021.

XAVIER, Cíntia; ROCHA, Paula Melani. Jornalismo, assessoria de imprensa e as novas diretrizes curriculares no Brasil. Razón y Palabra, v. 20, n. 3, p. 907-924, jul-set, 2016. Disponível em: https://www.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/745. Acesso em: 1 out. 2021.

Publicado

2021-12-22

Como Citar

Carvalho, G., & Moabis, M. (2021). Jornalismo e assessoria à luz das diretrizes curriculares: estudo a partir de egressos de jornalismo da UEPG. Revista Brasileira De Ensino De Jornalismo, 11(29), 105-121. https://doi.org/10.46952/rebej.v11i29.469

Edição

Seção

Dossiê