Gênero e sexualidade na formação em comunicação

experiências docentes na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

DOI:

https://doi.org/10.46952/rebej.v12i30.479

Palavras-chave:

Prática docente, Gênero, Sexualidade, Ensino de Comunicação/Jornalismo

Resumo

Desenvolvemos um relato de experiência que passa pelos desafios de, como docente/pesquisadora mulher e docente/pesquisador bicha, construirmos, em conjunto e junto às/aos estudantes, modos de existência em uma sociedade cis-hetero-patriarcal, racista e normativa. Ponderamos sobre situações vivenciadas, narramos caminhos percorridos e mobilizamos referenciais teóricos, políticos e epistemológicos que foram necessários nesse percurso. Esperamos contribuir para a ampliação das reflexões em torno da prática docente, marcada pelas discussões de gênero e de sexualidade, no espectro da formação em Comunicação e do compromisso com uma atuação localizada, articulada entre ensino, pesquisa e extensão em uma universidade pública do interior do país.

Referências

GOMES BARBOSA, K.; CARVALHO, A. L. ; FERREIRA, M. H. ; PERES, K. C. Novos Sujeitos de Futuras Histórias: a potência da mídia na educação de gênero para a infância. Experiência - revista científica de extensão, v. 7, n. 2, p. 1-21, 2021.

__________________. Leslie e Ofelia, meninas que ousam sair do quarto: espaço, feminilidade e corpo em Ponte para Terabítia e O labirinto do fauno. Mídia E Cotidiano, v. 14, n. 1, p. 133, 2020.

__________________; CARVALHO, R. L. V. R.; CARVALHO, A. L. Os caminhos das Ariadnes: teste-munho, verdade e jornalismo no enfrentamento de violências de gênero. In: Katia Maria Belisário; Dione O. Moura; Liziane Guazina. (Org.). Gênero em Pauta: Desconstruindo Vio-lências, Construindo Novos Caminhos. 1ed. Curitiba: Appris, 2019, v. 1, p. 336-368.

__________________; DURVAL, C. C. Brincadeiras, infância e feminilidade: as meninas protago-nistas de animações televisivas nas décadas de 1980 e 1990. In: V Encontro Sudeste da História da Mídia, 2018, Belo Horizonte. Anais eletrônicos. Porto Alegre: Alcar, 2018. v. 1. p. 1-15.

__________________; SOUZA, F. A solidão das meninas negras: apagamento do racismo e ne-gação de experiências nas representações de animações infantis. Revista Eco-Pós (Onli-ne), v. 21, n. 3, p. 75-96, 2018.

BUTLER, J. Corpos que importam: os limites discursivos do “sexo”. Sa?o Paulo: N-1. 2019.

CAMPOS, W.. A trajetória de Ivan: a transgeneridade na telenovela A Forc?a do Querer. 2019. 83 f. Monografia (Graduação em Jornalismo) - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana. 2019.

CARDOSO, M.L.N.. A vítima da notícia: compreendendo a violência contra a mulher através das lentes do jornalismo. 2021. 24 f. Monografia (Graduação em Jornalismo) - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2021.

CHAGAS, I.; MENDONÇA, F.V.K.M.; AZEVEDO, J. H. P. Narrativas de homens autores de violência contra mulheres: pistas para compreensão de um fenômeno mais amplo. In: LEAL, B. S.; CARVALHO, C. A.; ANTUNES, E. Um problema cotidiano: jornalismo e violência contra mulher no Brasil. Belo Horizonte, MG: Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, 2020. P. 159 – 178.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Estudos feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188. 2002.

ERIBON, D. Reflexões sobre a questa?o gay. Rio de Janeiro: Companhia de Freud. 2008.

FRANCISCO, R. P. Operações discursivas nos contos de fadas do Walt Disney Animation Studios: uma análise fílmica sobre corpo, beleza, raça e feminilidade em princesas. 2019. 193 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Instituto de Ciências Sociais e Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana. 2019.

HADDAD, S. Paulo Freire e bell hooks: um encontro permanente. In: HOOKS, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Elefante, 2020, p. 10-21.

HARAWAY, D. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. Cadernos Pagu, Campinas, v. .5, p 7-41. 1995.

HOOKS, bell. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo: Elefante, 2020.

KOLINSKI MACHADO, F. V.. E mesmo ameaçado eu serei cada vez mais viado: Considerações sobre o pop como espaço de existência/resistência para a criança viada. Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, v. 3, p. 288-304, 2020.

__________________. Notas sobre o martírio feminino em Game of Thrones. E-COMPÓS (BRASÍLIA), p. 1-24, 2021.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educac?a?o. Petrópolis: Vozes. 1997.

______________. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Aute?ntica Editora. 2008.

MACHADO, F.V. K. Homens que se veem: masculinidades nas revistas Junior e Men’s Health Portugal. – Ouro Preto: Editora UFOP, 2018.

__________________. Seja jovem: sentidos sobre a velhice em cinquenta anos de Veja (1968-2017). Ouro Preto: Editora UFOP, 2020.

__________________. E a mídia criou a mulher?: como a tv e o cinema constroem o sistema de sexo/gênero. 2006. 242 f. Tese (Doutorado em História) — Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília. 2006.

MENDONÇA, F. V. K. M.; DINIZ, M.; MAIA, M. R. Gênero e sexualidades no contexto da universidade pública: estudo de caso do Projeto Vidas - UFOP. Revista Internacional de Educação Superior, Campinas, v. 7, n. e021027, p. 1-17, 2021.

MIGUEL, L. F.; BIROLI, F. A produção da imparcialidade: a construção do discurso universal a partir da perspectiva jornalística. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 25, n. 73, p. 59-76. 2010.

MORAES, F.; VEIGA DA SILVA, M. A objetividade jornalística tem raça e tem gênero: a subjetividade como estratégia descolonizadora. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 28., 2019, Porto Alegre. Anais, Porto Alegre: Compós, 2019.

__________________. O nascimento de Joicy: transexualidade, jornalismo e os limites entre repórter e personagem. Arquipélago Editorial Ltda, 2017.

MOREIRA, V. Representações femininas em Jessica Jones: Uma análise da série de da Net-flix a partir das Teorias Feministas e Teoria Queer. 2019. 138 f. Monografia (Graduação em Jornalismo) - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana. 2019.

REZENDE, K. B. C. P.. “It’s Britney, bitch!”: entre o bem e o mal dos corpos femininos e os modos possíveis de ser mulher 2021. 61 f. Monografia (Graduação em Jornalismo) - Insti-tuto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2021.

ROZA, S. R. de C. Quem é Tiana? Construções e representações da primeira princesa negra de animação da Disney. 2018. 127 f. Monografia (Graduação em Jornalismo) - Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana. 2018.

SEDGWICK, E. K. A epistemologia do armário. Cad. Pagu [online]. n.28, pp.19-54. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332007000100003&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 26 mar. 2022.

SILVA, J. P. L.. MUTAN: potência narrativa e protagonismo LGBTQ+ em contos ficcionais e testemunhos de experiência. 2020. 37 f. Monografia (Graduação em Jornalismo) - Institu-to de Ciências Sociais e Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2020.

__________________. Femina Revelio: Bellatrix, Hermione e Minerva e as representações da mulher/bruxa na saga cinematográfica de Harry Potter. 2022. 187F. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Instituto de Ciências Sociais e Aplicadas, Universidade Federal de Ou-ro Preto, Mariana, 2022.

SILVA, M. G.. As performances de si nas redes como ciberacontecimento: análise da hashtag ten years challenge. 2020. 180 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Insti-tuto de Ciências Sociais e Aplicadas, Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2020.

SPIVAK, G. C. Pode o subalterno falar? Editora UFMG. 2010.

VEIGA DA SILVA, M. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção de notícias. Série Jornalismo a rigor. v.8. Florianópolis: Insular. 2014.

VERGÈS, F. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu. 2020.

WARNER, M. (editor). Fear of a Queer Planet: Queer Politics and Social Theory. Minneapolis/London, University of Minnesota Press. 1991.

WOLF, N. O Mito da Beleza: Como as imagens de beleza são usadas contra as mulheres. Rio de Janeiro: Rocco. 1992.

ZEISLER, A. Feminism and pop culture. Berkeley: Seal. 2008.

Publicado

2022-06-22

Como Citar

Gênero e sexualidade na formação em comunicação: experiências docentes na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). (2022). Revista Brasileira De Ensino De Jornalismo, 12(30). https://doi.org/10.46952/rebej.v12i30.479

Edição

Seção

Relato de Experiência