Proposta para sistematização de bancas de avaliação considerando demandas de tempo, prioridade, compreensão e interação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.46952/rebej.v13i32.1172

Palavras-chave:

Jornalismo, Banca, Avaliação, Didática, Sistematização

Resumo

O trabalho apresenta proposta para organizar arguições em bancas de avaliação (como TCCs ou defesas de pós-graduação) para que o docente sistematize o processo de análise do trabalho, otimizando o tempo e facilitando ao aluno identificar pontos principais que demandem resposta no debate ou correções posteriores. A partir de experiência em centena de defesas, o modelo já foi aplicado em dezenas de bancas de graduação e pós-graduação. O modelo sistematiza pontos a serem apresentados em seis categorias de gênero: Elogios, Sugestões, Críticas, Alterações, Perguntas e Agradecimentos, que podem ser sintetizados no acrônimo ESCAPA. O artigo apresenta e discute modelo da ficha para organizar trabalho dos avaliadores, inclusive disponibilizando para orientador e aluno avaliado.

Biografia do Autor

Ivan Paganotti, Universidade Metodista de São Paulo

Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (2015), com bolsa Capes, sob orientação da Profa. Dra. Mayra Rodrigues Gomes, e mestre em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (2010), foi graduado em Jornalismo pela Universidade de São Paulo (2007), realizou doutorado-sanduíche (PDSE-Capes) na Universidade do Minho (Braga, Portugal), sob orientação da Profa. Dra. Helena Sousa, em 2014. Docente e pesquisador (com projeto financiado pela Fapesp) no Programa de Pós-Graduação em Comunicação Social da Universidade Metodista de São Paulo. Professor do curso de Jornalismo e Atualidades no Colégio Stockler. É co-criador do curso online Vaza, Falsiane!, curso com apoio do Facebook e incubado na ONG Repórter Brasil. Líder do grupo de pesquisa CHECAR (Checagem, Educação, Comunicação, Algoritmos e Regulação) da Umesp e membro fundador do grupo de pesquisa MidiAto - Grupo de Estudos de Linguagem: Práticas Midiáticas, da ECA-USP. Faz parte da Rede Metacrítica (Rede de Pesquisa em Cultura Midiática) e da Rede Nacional de Combate à Desinformação (RNCD). Foi professor (2018-2020) e coordenador (2020) do Mestrado Profissional em Jornalismo da FIAM-FAAM, além de docente da graduação em Jornalismo (2018-2020) e coordenador dos cursos de comunicação na pós-graduação lato sensu da FIAM-FAAM (2020). Ex-repórter freelancer da Editora Abril, tem experiência na área de comunicação, com ênfase em jornalismo impresso e em vídeo, com temática social e econômica. Sua pesquisa atual envolve: fake news, pós-verdade, censura, liberdade de expressão, de imprensa e direito à informação, regulação de meios de comunicação, classificação indicativa, redemocratização, análise de discurso crítica, identidade nacional, estereótipos, narrativa jornalística e produção de correspondentes internacionais.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. “Os gêneros do discurso”. In: BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003. pp. 261-306.

BJR – BRAZILIAN JOURNALISM RESEARCH. Processo de Avaliação pelos Pares: Pareceres Abertos. Brazilian Journalism Research, 2020. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/processoavaliacao. Acesso em: 23 fev. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 1, de 27 de setembro de 2013. Institui as diretrizes curriculares nacionais para o curso de graduação em Jornalismo, bacharelado, e dá outras providências. Brasília: MEC, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/educacao-quilombola-/323-secretarias-112877938/orgaos-vinculados-82187207/12991-diretrizes-curricularescursos-de-graduacao. Acesso em: 24 mar. 2023.

CANAVILHAS, João. Jornalismo na Web: Da Pirâmide Invertida à Pirâmide Deitada. Revista Aprender, p. 58-65, 2012. Disponível em: http://aprender.esep.pt/index.php/aprender/article/view/113/100. Acesso em: 23 fev. 2023.

FAIRCLOUGH, Norman. Analysing discourse: textual analysis for social research. New York: Routledge, 2003.

FERRAZ, Ana Paula do Carmo Marcheti; BELHOT, Renato Vairo. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção, v. 17, n. 2, p. 421-431, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-530X2010000200015. Acesso em: 23 fev. 2023.

FREIRE, Paulo; GUIMARÃES, Sérgio. Educar com a mídia: novos diálogos sobre educação. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. Trad: Marcelo Brandão Cipolla. 2ª ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2017.

GENRO FILHO, Adelmo. O segredo da pirâmide: para uma teoria marxista do jornalismo. Florianópolis: Insular, 2012.

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 13ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2019.

MORIN, Edgar. Ensinar a viver: manifesto para mudar a educação. Trad. Edgard de Assis Carvalho e Mariza Perassi Bosco. Porto Alegre: Sulina, 2015.

NOVAIS, Rui Alexandre. Pareceres da edição. Brazilian Journalism Research, v. 16, n. 1, 2020. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/1317. Acesso em: 23 fev. 2023.

PACKER, Abel L; SANTOS, Solange. Ciência aberta e o novo modus operandi de comunicar pesquisa – Parte II. Scielo em Perspectiva, 1 ago. 2019. Disponível em: https://blog.scielo.org/blog/2019/08/01/ciencia-aberta-e-o-novo-modus-operandi-de-comunicar-pesquisa-parte-ii/#.ZB40q3bMLIU. Acesso em: 23 fev. 2023.

PENA, Felipe. Teoria do jornalismo. São Paulo: Contexto, 2021.

PEREIRA JÚNIOR, Luiz Costa. Guia para a edição jornalística. Petrópolis: Vozes, 2012.

RECH, Gisele. Redação jornalística: apontamentos para a produção de conteúdo. Curitiba: Intersaberes, 2018.

RELATÓRIO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS. Instituída pelo Ministério da Educação. Portaria Nº 203/2009, de 12 de fevereiro de 2009. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Jornalismo. Brasília: MEC, 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/documento_final_cursos_jornalismo.pdf. Acesso em: 24 mar. 2023.

TEMER, Ana Carolina Rocha Pessôa; JOFFE, Mayara Jordana Sousa Santana. Formação de jornalistas e ensino universitário: perspectivas de docentes de Jornalismo sobre a implantação das novas DCNs. Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo, v. 8, n. 22, p. 5-33, jan./jun. 2018. Disponível em: https://rebej.abejor.org.br/index.php/rebej/article/view/108. Acesso em: 24 mar. 2023.

Publicado

2023-12-11

Como Citar

Paganotti, I. (2023). Proposta para sistematização de bancas de avaliação considerando demandas de tempo, prioridade, compreensão e interação. Revista Brasileira De Ensino De Jornalismo, 13(31). https://doi.org/10.46952/rebej.v13i32.1172